Saiba o que avaliar ao escolher um serviço antifraude

O comércio eletrônico é um mercado bastante vantajoso e em franco crescimento: de acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), em 2017 o setor faturou mais de R$ 60 bilhões. Para quem deseja se dar bem, porém, há um desafio muito importante: escolher o serviço antifraude adequado, que seja capaz de não apenas proteger financeiramente a loja virtual como, também, manter taxas de aprovação de pedidos em índices aceitáveis (e altos), assegurando um bom nível de performance na operação do lojista.

Se você ainda não acompanha nossos artigos aqui no blog da Konduto, talvez não saiba que o índice de tentativas de fraude contra e-commerces brasileiros gira em torno de 3,03%. Este número é, sim, alarmante: significa que há uma tentativa de golpe (normalmente transações feitas com cartões de crédito clonados) contra lojas virtuais a cada 5 segundos!

Mas calma… Soluções de risco nasceram com o intuito de barrar estas transações suspeitas. Muitas delas surgiram com a premissa há mais de uma década de realizar uma verificação baseada em análise de dados pessoais do cliente. A fraude, porém, evoluiu – muito! O serviço antifraude também precisou se modernizar, e hoje há diversos fatores que devem ser levados em consideração no momento de escolher a melhor ferramenta para uma loja virtual. Explicamos tudo neste artigo, confira!

Não se baseie em dados cadastrais

Checar os dados cadastrais informados pelo cliente no momento da compra foi a primeira técnica criada por antifraudes para analisar uma transação: se o nome, o CPF e o endereço que o cliente mencionava batiam com informações disponíveis em birôs, a compra era legítima.

No entanto, esta técnica hoje está mais do que ultrapassada diante de tantos vazamentos de dados, envolvendo empresas pequenas, médias, grandes e gigantescas. No final de 2017, por exemplo, a Equifax, um dos maiores birôs de informações do mundo, sofreu um vazamento que comprometeu informações pessoais e financeiras de mais de 143 milhões de pessoas nos Estados Unidos.

Este caso é uma prova clara de que a checagem de dados cadastrais já não oferece a mesma segurança de antes, o que obriga as empresas a buscar novas soluções tecnológicas que protejam os dados do negócio e de seus consumidores. Análise de fingerprint, geolocalização, inteligência artificial, monitoramento do comportamento de navegação e compra do cliente… Todas estas táticas (combinadas) são cruciais para uma alta eficiência de um serviço antifraude.

Busque o plano ideal

Além de contar com uma interface tecnológica atualizada e eficiente, o sistema antifraude também deve atender satisfatoriamente ao seu e-commerce. O ideal é contar com um modelo de segurança que se encaixe perfeitamente às suas necessidades. Inicialmente isso pode parecer fácil, mas escolher o serviço ideal não é uma tarefa simples.

Já pensou contratar um sistema que não possui uma análise automática tão eficiente? Se o seu negócio não permitir revisões manuais (como e-commerces de serviços e passagens ou de entregas expressas), isso será um problemão. Ou, então, caso você tenha um e-commerce recém-criado e busque uma solução cujos planos mais simples vão muito além do que você precisa?

Portanto, procure soluções que atendam ao que você realmente precisa, como um misto de análises automáticas de altíssima eficiência, que possibilitem também um plano que faça revisões manuais caso o seu e-commerce não tenha condição de montar uma equipe de especialistas em risco. Ah, e não se esqueça do atendimento: você precisa ser bem tratado pelo seu fornecedor, não é?

Fique de olho na transparência

Outro ponto bastante importante e que precisa ser levado em consideração é a transparência do serviço antifraude. Para ter certeza de que conta com um mecanismo eficiente, é necessário ter amplo acesso ao que está sendo feito no processo.

Desta forma, um sistema antifraude eficiente é aquele que permite extrair e analisar relatórios de ações e indicadores de segurança, avaliar a prestação de serviço e propor melhorias, além, é claro, de acompanhar tudo o que vem sendo executado para a proteção da sua loja on-line.

Você sabe qual é a taxa de tentativas de fraude exata no seu e-commerce? E quantos pedidos estão sendo aprovados automaticamente? Qual a taxa de cancelamentos? Você tem ideia de qual é a sua taxa de falsos-positivos?

Pois então… esta transparência nos dados dá mais segurança para o empresário ou gestor, que tem mais confiança no serviço que está sendo prestado e nos resultados que podem ser obtidos.

Cuidado com garantias contra chargeback

Alguns lojistas, equivocadamente, sonham em atingir o índice de “fraude zero”. Lamentamos informar, mas isso é uma cilada: planos que prometem garantir chargeback podem acabar custando mais caro do que uma transação fraudulenta (ou várias).

Isso se dá porque o antifraude que promete fraude zero acaba bloqueando muitas compras legítimas, mas que possam levantar o mínimo de suspeita. Para não se comprometer, o sistema acaba negando aquela transação e barrando um bom cliente – que, certamente, irá se tornar um detrator da sua marca.

Não se esqueça da confiabilidade

Por fim, é preciso ter bastante confiança quanto ao funcionamento do serviço contratado. Falhas operacionais podem deixar seu e-commerce desprotegido em alguns momentos, assim como ocasionar vazamento de dados importantes para o seu negócio, o que certamente prejudicará a sua loja.

Imagine a seguinte situação: durante um dia crucial de alguma campanha de vendas – como a Black Friday -, o seu serviço antifraude sofre alguma instabilidade e deixa você na mão. Imagine o tamanho da dor de cabeça!

Não existe sistemas on-line à prova de quedas, mas procure por alguma solução que tenha um alto nível de estabilidade sistêmica – a Konduto, por exemplo, sofreu apenas 21 minutos de instabilidade durante todo o ano de 2017 (incluindo períodos de manutenção agendada). Isso significa 99,996% de tempo no ar!

Vamos lá?

Pronto! Depois de ler este guia, você está preparado para escolher o melhor sistema antifraude para o seu e-commerce. Mãos à obra!

Gostou deste artigo sobre como avaliar um serviço antifraude? Então, entre em contato com a Konduto e saiba como podemos ajudá-lo ainda mais!

Share This