Por
Felipe Held
4 minComments

A Black Friday vem aí! Mas e as fraudes, vão aumentar?

A expectativa é que o consumidor aproveite os descontos de 27 de novembro. Mas fraudador também gosta de promoção

Crime Cartão Imagem: Dollar Photoclub

Estamos a exatamente um mês da Black Friday, a super campanha de vendas que promete reduzir os preços ao consumidor em até 80% e movimentar uma fortuna em lojas de todo o Brasil – para se ter uma ideia, em 2014 foram R$ 1,16 bilhão de vendas, segundo a revista Exame. Para 2015, apesar da crise econômica que o País atravessa, as previsões são positivas: segundo pesquisa do site Zoom, 71% dos consumidores pretendem realizar compras durante as promoções que acontecerão em 27 de novembro.

Leia também
Compra online sem login? Conheça o case do botão de R$ 1 bilhão
Recebi meu primeiro chargeback! O que fazer?
Quer evitar fraudes? Checar apenas nomes e CPF não é mais suficiente

No entanto, apesar do cenário interessante para o comércio, é preciso tomar muito cuidado. A Black Friday também é um prato cheio para criminosos, que se aproveitam do altíssimo volume de vendas dos e-commerces para aumentar a quantidade de fraudes.

Nós sabemos que fraudadores gostam, sim, de promoção. Não porque os preços estão reduzidos, mas porque é justamente nessa época em que as lojas têm mais pedidos para processar e, geralmente, acabam “abrindo um pouco a porteira” na hora de aprovar determinadas compras. Afinal, o consumidor está disposto a comprar e a gastar mais.

E o golpista sabe disso, infelizmente. É neste momento que ele aproveita para realizar mais fraudes, que talvez não serão detectadas pelas lojas – que acabarão ficando mais sobrecarregadas para avaliar todos os pedidos suspeitos, aprovarão a compra e enviarão os produtos.

A dor de cabeça virá nos meses seguintes, quando os consumidores “verdadeiros” detectarem as cobranças indevidas nos cartões de crédito e solicitarem o cancelamento da compra. Chargebacks, chargebacks, chargebacks… e mais chargebacks.

A Black Friday não deverá causar, percentualmente, um aumento de fraudes no e-commerce brasileiro – afinal, é esperado que as vendas também cresçam no período. No entanto, o custo dos lojistas acabará aumentando – e a rentabilidade será reduzida. E, convenhamos, isso não é nada agradável.

Cabe aos lojistas saberem se proteger, seja não “afrouxando o cinto” na hora de realizar aprovações de compras suspeitas ou, mais importante ainda, realizando uma força-tarefa com as equipes de planejamento e logística: eles podem ajudar a interceptar pedidos que sejam entregues no mesmo endereço para clientes diferentes.

Sobre a Konduto

Somos uma startup fundada em 2014 que lançou um sistema antifraude para o e-commerce que não se limita ao cruzamento de dados do comprador, como nome e CPF. Nossa tecnologia única analisa o comportamento de navegação do usuário desde o momento em que ele entra no site do lojista e avalia, em tempo real, as chances de a compra ser positiva ou fraudulenta.

Nosso algoritmo de machine learning também se adapta ao modelo de clientes do lojista, reduzindo o número de falsos positivos, revisões manuais e chargebacks. Melhor para o lojista, que tem o custo de operação reduzido e consegue maximizar as receitas.

Quer saber mais?

Envie um e-mail para oi@konduto.com e teremos o prazer em ajudar!

Conecte-se com a Konduto também nas redes sociais: Linkedin, Facebook e Twitter