Se você assina o Spotify, baixa jogos pela PlayStation Network, reservou algum quarto no AirBnB ou já fez compras em sites como AliExpress ou Wish, você sabe de quem estamos falando. O EBANX é uma empresa que revolucionou o jeito de o consumidor brasileiro comprar na internet. A instituição, que foi fundada em 2012 na cidade de Curitiba, derrubou enormes barreiras que dificultavam ou impediam que um cliente do Brasil realizasse compras em sites estrangeiros e passou a oferecer meios de pagamento locais (como o boleto bancário) em e-commerces internacionais.

hero

Antes do EBANX, um brasileiro só conseguia fazer compras em sites estrangeiros se possuísse um cartão de crédito internacional. A empresa “abriu as portas do mundo” para o e-consumidor verde-amarelo e ainda permitiu que as compras fossem pagas no boleto bancário ou até mesmo parceladas. Sem necessidade de um cartão internacional.

O grupo financeiro global, com o DNA latino dos empreendedores Alphonse Voigt, João Del Valle e Wagner Ruiz, ampliou sua operação para mais quatro países da América Latina em 2015: México, Colômbia, Chile e Peru. No mesmo ano, o EBANX comemorou a marca de 10 milhões de clientes brasileiros – ou seja: 50% do total de brasileiros que já fizeram ao menos uma compra em sites fora do País. A empresa curitibana já processou mais de 60 milhões de transações e atende mais de 300 sites no mundo inteiro.

Desafio: barrar fraudes e não prejudicar o bom cliente

O EBANX teve um crescimento exponencial no mercado brasileiro em pouquíssimo tempo. A empresa evoluía, os clientes aumentavam, o número de transações processadas aumentava ainda mais. Mas havia um problema, e o crescimento explosivo levou um perigo à porta: as compras realizadas com cartões de crédito clonados. Susan Pastega assumiu a gerência da área de risco da empresa em 2015 e rapidamente detectou esta ameaça.

“O desafio era conter os ataques de fraude em uma grande loja de jogos on-line. Esta loja por si só representava 80% dos chargebacks do EBANX. Um grande risco reputacional estava em jogo, além das perdas financeiras associadas a potenciais multas”, destaca Susan.

Até então, a análise de risco das transações processadas passava por níveis de autenticação (validação de CPF, limites internos impostos pelo Banco Central etc) e checagem nas listas de contatos bloqueado. “Além disso, estava implementada uma análise manual de compras para alguns lojistas. Nada disso conseguiu, entretanto, barrar ataques de fraudes maiores”, recorda a gerente do EBANX.

Não era simples barrar fraudes neste cliente, especialmente porque o EBANX jamais poderia correr o risco de bloquear vendas legítimas, de gamers que estavam mais do que dispostos a pagar por aqueles conteúdos. O EBANX procurou a Konduto. E a Konduto, que adora games, adora desafios e adora pegar fraudes, não hesitou em aceitar.

gaming

Menos fraude, mais dinheiro!

A Konduto entendeu a urgência da empresa paranaense em melhorar os resultados e deixar os programas de monitoramento das operadoras de cartão. Sabíamos que o desafio seria enorme e bastante peculiar, especialmente por conta de três fatores: a compra via-console (e não por um site), a altíssima recorrência de compra dos bons clientes e a necessidade de aprovação imediata, sem margem para derivação de pedidos a uma fila de revisão manual.

Desde o primeiro momento de integração, contamos com a competente equipe do EBANX para o projeto. E, não à toa, os primeiros resultados não demoraram para aparecer. “O processo de integração com a Konduto foi tranquilo e rápido. No nosso caso tínhamos de colher os resultados efetivos após a maturação da safra de um chargeback (90 dias) para que o merchant aprovasse o piloto. Assim que aprovado, passamos a colher os resultados efetivos do uso da ferramenta. Imediatamente após a geração dos primeiros modelos de risco pudemos perceber o quanto a ferramenta foi assertiva, pois identificou a mudança de modus operandi dos fraudadores”, recorda Susan.

Em cerca de dois meses com a Konduto, o EBANX contou com uma redução no índice de chargebacks e uma economia de mais de R$ 7 milhões em fraude evitada. Em apenas dois meses! E, evidentemente, a parceria só tem se fortalecido ao longo dos últimos dois anos.

“Estamos com mais de 30 lojistas integrados, e com índices de chargebacks supercontrolados – muito menores que o nível de monitoramento exigido pelas bandeiras. A Konduto se mostrou ágil, conectada ao mercado e com grande senso de urgência. É um parceiro ideal ao nosso modelo de negócios e com certeza recomendo para outros e-commerces”, finaliza Susan.

As conquistas do EBANX com a Konduto

resultados

Economia com fraude
R$ 7 milhões de fraude evitada (apenas nos dois primeiros meses de operação)

Integração
Processo tranquilo e rápido

Taxa de chargebacks
Controlada, abaixo do nível de monitoramento exigido pelas bandeiras

Confiança
Após 2 anos, a parceria já conta com 30 lojistas integrados

Recomenda a Konduto?
“Com certeza! Um parceiro essencial ao nosso modelo de negócio, a Konduto se mostrou ágil, conectada ao mercado, e com grande senso de urgência”, atesta Susan Pastega.

Sobre a Konduto

Somos a primeira empresa do mundo a considerar o comportamento de navegação e compra do usuário em um site de e-commerce para calcular o risco de fraude em uma transação. Nosso sistema utiliza todas as técnicas tradicionais da análise de risco (validação de dados cadastrais, revisão manual, fingerprint, geolocalização) e ainda conta com filtros de inteligência artificial. Essa combinação é capaz de aumentar consideravelmente a precisão do antifraude e beneficia a operação do lojista.

Nossos cases de sucesso mostram que a Konduto tem a mais moderna e eficiente tecnologia para barrar fraudes on-line. Temos clientes de todos os segmentos do e-commerce e somos reconhecidos pela imprensa e pelo mercado de tecnologia como uma das empresas brasileiras mais inovadoras do setor.

Entre em contato conosco no e-mail oi@konduto.com e nos diga como a Konduto pode ajudar o seu e-commerce!

Felipe Held

Head de Comunicação e Marketing da Konduto desde 2015, Felipe é formado em Jornalismo, pós-graduado em Marketing e trabalhou em Gazeta Esportiva, UOL e Terra antes de entrar para o time do melhor antifraude do e-commerce

Share This