Blog da KondutoNotícias da fraude

Nova versão do Mozilla Firefox pode bloquear fingerprint por padrão

Por 28 de novembro de 2019 Nenhum comentário

Você já usou ou até pode estar usando o Firefox para navegar na internet, certo? Pois a nova versão do browser da fundação Mozilla, prevista para ser lançada em janeiro de 2020, deve chegar com uma atualização que ameaça uma palavrinha que muitas vezes escrevemos por aqui: o fingerprint.

Esqueceu o que é? Pois bem, o termo fingerprint traz muito do significado da tradução literal do inglês para português, que é impressão digital. Trata-se de um método que permite que uma empresa rastreie você com base em características únicas de seu dispositivo – e não apenas usando cookies.

Resolução da tela, navegador usado, fuso horário, geolocalização, idioma, extensões instaladas, as fontes instaladas, o sistema operacional… Estas são só algumas das diversas informações que o fingerprint pode coletar do seu computador, smartphone ou tablet. Poderoso, né?

Sim, tanto que estes dados que criam a impressão digital dos aparelhos têm sido aplicados em ferramentas de tracking, chats, marketing e também por antifraudes. No nosso caso, o fingerprint é bastante eficaz porque um criminoso cibernético pode até criar milhares de contas falsas para fazer compras em um site de e-commerce, por exemplo, mas dificilmente contaria com milhares de devices diferentes para utilizar.

Poxa, e por que bloquear o fingerprint então?

Porque o Firefox tem uma política agressiva antitracking e considera que o fingerprint viola a privacidade do usuário. A privacidade, aliás, é uma das principais bandeiras da fundação sem fins lucrativos Mozilla, que desenvolve o navegador, contra as concorrentes Google, criadora do Chrome, e Apple, a mamãe do Safari.

A título de curiosidade, os gráficos abaixo, extraídos do site de análise de tráfego StatCounter, mostram como o Firefox se manteve até outubro de 2019 como o terceiro navegador mais utilizado no mundo (primeira imagem) e no Brasil (segunda imagem), atrás apenas dos dois produtos das marcas que muitos rankings apontam como as duas mais valiosas do mundo.

Source: StatCounter Global Stats – Browser Market Share

Source: StatCounter Global Stats – Browser Market Share

O Mozilla Firefox vem testando desde o primeiro semestre o bloqueio de fingerprint em algumas versões e, como dissemos no título deste artigo, pode até torná-lo padrão na versão que vai ser lançada. Isso só vai mudar se os últimos testes apontarem que a experiência do usuário nos sites que têm esta tecnologia seja muito prejudicada, com páginas sendo exibidas incorretamente, problemas de interação etc.

E o antifraude, como fica?

Bem, se a revisão for baseada apenas em análise das impressões digitais dos aparelhos, a solução antifraude realmente seria ineficiente para barrar pedidos ilegítimos feitos pelo navegador Firefox a partir de janeiro de 2020.

Mas para um sistema como o da Konduto a mudança não assusta, já que somos capazes de coletar mais de 2 mil informações diferentes sobre um único pedido. Sim, 2 mil informações – entre dados cadastrais e de pagamento, compras anteriores que a pessoa fez, tempo de permanência na página, origem da visita, produtos visualizados, etc etc.

Moral desta história: o fingerprint é só uma das milhares de armadilhas que preparamos para o criminoso cair – e para você só se preocupar em vender.

Newsletter da Konduto

Eduardo Carneiro

Autor Eduardo Carneiro

Eduardo é jornalista formado pela Cásper Líbero e trabalhou em sites como Gazeta Esportiva, Terra e UOL ao longo da carreira. Na Konduto desde junho de 2019, escreve sobre as novidades do mundo da fraude e arrisca imitações de celebridades.

Mais posts de Eduardo Carneiro